A moda agora é observar borboletas


O Jornal BEM-TE-VI traz uma novidade para este ano de 2015 e também para a cidade de Peruíbe. Trata-se do Butterfly watching (observação de borboletas), em substituição ao birdwatching, sucesso absoluto na página dois do nosso jornal. 

Antes, uma breve explicação para esta mudança: Fomos os primeiros a falar de pássaros em Peruíbe. Além de colorir as páginas de nosso jornal com belas fotografias, tínhamos o trabalho de identificar as espécies, mostrar aspectos, costumes e curiosidades da ave. 

Com a nossa experiência de campo, contávamos para os leitores de Peruíbe onde a espécie pode ser encontrada na cidade e em qual bairro é possível vê-la. 

Após o nosso trabalho de dois anos, vemos outras pessoas seguindo a mesma trilha e dando continuidade ao nosso trabalho. Portanto, acreditamos que o segmento está em boas mãos.

Como o mercado pede mudança e respeitando a identidade inovadora do Jornal, lançamos, nesta edição o Butterfly watching e esperamos agradar ao nossos leitores e trazer para Peruíbe um mercado turístico novo que é rentável em diversas partes do mundo.  

Quem sabe não aparece outras pessoas “borboletando” por aí? Só nos Estados Unidos, onde estima-se que vivem 700 espécies de borboletas, o mercado está aquecido e há tours para a prática da atividade. Mesmo com a grande diversidade do Brasil, que possui cerca de 3.300 espécies (mais as que faltam ser catalogadas) o mercado praticamente não existe.


ButterflyWatching

(OBSERVAÇÃO DE BORBOLETAS)


Borboleta nº 01
(Anartia jatrophae)


A maioria das borboletas não possuem nome popular.
A espécie que apresentamos nesta primeira edição é a Anartia jatrophae, também conhecida como pavão branco. 

É uma espécie de borboleta encontrada no sudeste dos Estados Unidos, América Central, e em grande parte da América do Sul.

Os machos são territoriais e demarcam um espaço com cerca de 15 metros de diâmetro. São agressivos com outros machos que invadirem o seu território. Em Peruíbe ela é bem comum e pode ser vista em qualquer local da cidade. 

A foto foi tirada em uma praça localizada no Stella Maris. Ela também já foi avistada ao longo do canal Ubatuba, canal que corta o Centro da cidade e passa atrás da Câmara Municipal.

As borboletas são bem difíceis de fotografar, pois não emitem som e vivem poucos dias.


Fotos e Texto: Márcio Ribeiro


Comentários