Projeto EcoAgentes 2014 proporciona embasamento teórico e prático aos alunos



Desde o dia 27 de janeiro 40 jovens do município entre 16 e 25 anos estão participando de aulas teóricas e práticas para aprenderem mais sobre a história e a cultura de Peruíbe.

Segundo um dos coordenadores do Projeto EcoAgentes 2014, o biólogo e gestor ambiental Thiago Augusto do Nascimento, o objetivo do programa é a “capacitação dos jovens de Peruíbe para trabalhar com atendimento ao visitante e mostrar o que a cidade tem de bom”.

O Projeto proporciona qualificação ao estudante para ingressar no mercado de trabalho na área de Turismo, além de divulgar a cidade, ajudando no seu crescimento.

O EcoAgente é um agente facilitador e multiplicador do desenvolvimento local, turístico, histórico, cultural e ambiental de nossa cidade. Tem como objetivos atender melhor e com mais qualidade os turistas e moradores que desejam visitar e conhecer os equipamentos e pontos turísticos da cidade, bem como orientar esses visitantes às práticas sustentáveis e de preservação do meio ambiente, contribuindo para o desenvolvimento local.


O biólogo Amilton Pedroso de Aguiar ministrou uma aula que mesclou biologia e geografia, na qual os alunos puderam conheceram os tipos de vegetação da Mata Atlântica, como a mata de encosta, a restinga e o manguezal.

Também aprenderam com a Prof. Fátima Cristina Pires sobre a história e a cultura de Peruíbe: o processo de emancipação, os locais conhecidos como a Avenida 24 de Dezembro e a Praça Albano Ferreira, também chamada de Praça Flórida, suas origens, curiosidades e significado dos seus nomes. Até o próprio nome do município foi explicado: Peruíbe, na língua indígena, significa Rio do Tubarão.

O funcionamento de vários equipamentos turístico-culturais de Peruíbe, como as Ruínas do Abarebebê, a Estação Ferroviária, a Biblioteca, o Mercado de Peixes, o Aquário e o Lamário foram abordados pelo biólogo Thiago Nascimento.

A monitora ambiental Adriana de Souza Lima falou sobre a cultura caiçara: origem do povo caiçara, costumes, modo de vida, cultura e problemas atuais dessa comunidade. Os participantes do EcoAgentes aprenderam mais a respeito da história, da agricultura itinerante, da culinária, do artesanato e das manifestações culturais do povo do litoral.
Houve muita interação nesses dias de aulas teóricas, os alunos participaram de dinâmicas, trabalhos em grupo e ainda puderam aprender até um passo do fandango.

Nas ações práticas, a primeira atividade dos jovens foi a participação na soltura de duas tartarugas verdes reabilitadas pelo Aquário de Peruíbe.

Durante a semana, os alunos realizaram várias visitas técnicas: city-tour nos principais pontos turísticos de Peruíbe: Ruínas do Abarebebê, Capela do Mosaico, Estação Ferroviária e Praça Ambrósio Baldim, conhecida como Praça Redonda.

Depois passaram um dia na área rural, no Clube Serramar, que fica na divisa de Peruíbe com Itariri. Foi uma oportunidade para conhecer e aprender mais sobre a natureza e o meio ambiente. As atividades foram desenvolvidas pelo gestor ambiental Marcelo Carvalho Saes, que realizou diversas dinâmicas com os participantes, aplicando o conceito de “vivências com a natureza”, e uma trilha até a Cachoeira Flora, juntamente com o biólogo Amilton Aguiar que participou da monitoria.

Negócios e empreendedorismo também foram abordados no treinamento. O empresário Rubens Murilo Aires Prado, Rubinho, como é conhecido, é proprietário da empresa de turismo Ecotur Passeios Ecológicos. Ele afirmou que o principal é trabalhar corretamente e construir uma rede de parcerias com empresas de vários campos como hotelaria, gastronomia, comércios, mecânicos e até com moradores dos locais em que realiza os passeios. Criar uma relação de ajuda mútua para que todos os setores consigam prosperar.

Para passar o conceito de empreendedorismo, o jornalista Lucas Galante, um dos proprietários do Jornal Bem Te Vi, ministrou palestra descrevendo como decidiu criar seu próprio jornal, sem ter experiência anterior como empresário. Para ele, o principal é ter motivação, coragem e arriscar. “Somente sonhar não adianta, precisa agir”, afirmou o jornalista. Para isso é importante ter ideias e ser inovador. E a elaboração de um planejamento minucioso das ações é fundamental, principalmente no que diz respeito às despesas e lucros da sua atividade.

A secretária de Esporte do município, Aline Silva Gomes, Aline do Karatê, como é conhecida na cidade, falou sobre a importância de saber receber bem um turista: “o turismo é uma prestação de serviço” e a recepção ao visitante ou cliente deve ser impecável. Afinal, é a impressão que o turista vai levar da cidade e dos lugares por onde passou.


Para ela, ao EcoAgente cabe, principalmente, em seu trabalho com os turistas e mesmo com a população local, ajudar na conscientização do cuidado com os bens públicos, como quadras e piscina, por exemplo.

Aline do Karatê ainda observa que o EcoAgente pode ajudar divulgar o esporte: “ele deve ter consciência das modalidades que são oferecidas pela prefeitura nas escolinhas, deve ser um propagador das modalidades de esporte na cidade”.

O jornalista do Bem-Te-Vi e monitor ambiental Márcio Ribeiro ministrou palestra sobre tipos de pássaros que podem ser observados na cidade e depois, juntamente com os alunos, foram a campo verificar as espécies que estavam passeando no caminho do Aquário de Peruíbe até o Portinho, passando pelo Mercado Municipal de Peixe.


Na volta, alunos e coordenadores do EcoAgentes participaram da instalação da primeira placa de indicação de Local para Observação de Aves (LOA) na cidade. Pintada pelo artista plástico Marcelo Senna, a placa tem o desenho de várias espécies de pássaros que podem ser observados na região da praia. A sinalização foi instalada na área aberta atrás do Aquário.

E o curso ainda está na metade. Novas atividades estão previstas para as próximas semanas.


Texto, Fotos, Edição: Adriana Torello





Comentários