Ideias Sustentáveis

A história do desenvolvimento humano


Você sabe o que é desenvolvimento? É tudo! É característica básica de tudo o que é vivo: nascer, crescer (se desenvolver), gerar descendentes e morrer. Está claro? É parte integrante das relações de todos os seres vivos, desde a origem do planeta, quando as condições físico-químicas permitiram a vida em padrões de redes, onde nada é descartado e tudo é reaproveitado.

Foi neste cenário que os seres humanos se desenvolveram, ampliando a capacidade de percepção no mundo. Com o cérebro cada vez mais avantajado nós conseguimos contar o tempo, nos planejar e domar o espaço que habitávamos, domesticando animais e plantas. Em grupo nos transformamos em sociedades, como a das abelhas, e atribuímos valores aos indivíduos. Criamos guerras sem sentido (diferentemente das abelhas) e dominações insustentáveis. E aprendemos: Somos a única espécie no planeta com capacidade intelectual para mudar drasticamente o ambiente, e tudo a nossa volta. 

E falando em capacidade intelectual, hoje sabemos que os recursos que sempre nos mantiveram vivos, e ricos, são escassos e finitos. Nossos limites estão aparecendo e a qualidade de vida, prometida pelo capitalismo, está diminuindo cada vez mais. Simplesmente não está dando certo! Há algum tempo a capacidade intelectual dos homens e mulheres indicam novos caminhos, novos modelos de desenvolvimento.

Um deles, o mais aceito, é o famoso Desenvolvimento Sustentável, conceituado a mais de 50 anos! Este modelo de desenvolvimento iguala os valores econômicos e sociais aos ecológicos, garantindo a manutenção da vida no planeta ao longo de gerações. Mas este conceito é constantemente deturpado pela mídia, pela maioria das empresas e administrações públicas do país.
            

Há, hoje, vários mecanismos políticos que promovem a viabilidade econômica aliada a equidade social e a prudência ecológica, como a agenda 21 e a A³P, mas que por ganância não tomam forma administrativa, ou mesmo por falta de inteligência, a mesma inteligência que nos trouxe até aqui.

E há quem diga que isto tudo é ilusão, que é sonho e irreal. Mas eu digo que irreal é continuarmos neste ciclo de destruição e pobreza de espírito, pois não basta o crescimento econômico sem qualidade de vida.

Como disse Victor Hugo: “Não há nada tão poderoso como uma ideia cujo tempo chegou”.

AUTOR: Marcelo Carvalho Saes

Formado em gestão ambiental pela Faculdade Integrada do Vale do Ribeira – UNISEP, estudou biologia, engenharia ambiental e turismo. Foi estagiário do Departamento de Agricultura e Meio Ambiente de Peruíbe por dois anos (2009 e 2010) Também participa de inúmeros eventos, seminários, convenções, fóruns e palestras relacionadas à área ambiental.

Comentários

  1. para um município turístico,ecologico e veranista esta longe de ideias sustentáveis e ecologicamente corretas a própria municipalidade e seus parlamentares são os que menos contribuem para uma cidade sustentável fico triste. HB

    ResponderExcluir
  2. Tenho visto um caminhão da coleta seletiva em alguns bairros mas a iniciativa é irrisória frente a nossa cidade e que outros procedimentos podem ser adotados. O que era considerado aterro sanitário referencia do litoral sul pela Cetesb, hoje lixão insustentável ao município e projetos que poderiam ser desenvolvidos com baixo custo mal são citados. Estamos frente a nova temporada e o lixão vem ai , poderes públicos não esqueção se seus lixos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário