Jornal BEM-TE-VI completa 3 anos de existência!

Jornal  BEM-TE-VI surgiu através da criatividade  e  coragem de dois jovens jornalistas. 

Ao iniciar o processo de produção da primeira edição, mal sabiam eles que 
estavam também começando a entrar no universo do empreendedorismo. 

A ideia de fundar um jornal com  uma  linha  editorial diferente, com reportagens de interesse público, as vezes com  um  toque  de  humor, sempre ouvindo os dois lados, sendo imparcial, trouxe credibilidade e aceitação da população.

A distribuição gratuita, sistematicamente,  em  mais de 500 lugares todo o mês, durante um ano, deixou o  jornal  conhecido  pelo público. Tanto é que, o que motivou  a  continuidade, após completarmos um ano eram os elogios e ao citar o nome do jornal com qualquer pessoa desconhecida na rua, a reação era sempre positiva.

Ao perceber que mesmo tendo boa aceitação pelo público,  havia  um  desperdício incontável de jornais, por conta da distribuição ser gratuita, uma pessoa poderia pegar  enorme  quantia  de exemplaras  sendo  grátis,  é direito dela, mesmo que ela não  tenha  bom  senso.  

Como o jornal estava presente em diversos comércios que até não anunciavam no  BEM-TE-VI,  não  havia  um  cuidado com essas pessoas sem bom senso e muitos jornais foram desperdiçados, pois uma pessoa não precisa de mais de um exemplar de uma mesma edição para ler não é mesmo?

Por  isso,  o  jornal  começou a ser vendido a R$ 1,00 nas bancas e nas ruas da cidade, tendo mais de mil exemplares vendidos na primeira vez. 

Embora  ele   continue sendo gratuito somente nas empresas que são anunciantes do jornal, nesses lugares o jornal acaba rápido, em questão de dias, cada pessoa leva um único exemplar ficando  feliz  por  recebê-lo grátis  naquele  comércio,  é como um brinde de nossos anunciantes. 

Como nos anunciantes com bastante circulação de pessoas acaba rápido, é feito constantemente o abastecimento de mais jornais nesses  lugares.

O  objetivo principal do R$ 1,00 não é em si buscar lucro com a venda dos 
exemplares, mas sim ter maior valorização e credibilidade pelo público em geral, pois aqueles que não querem pagar R$ 1,00 buscam o jornal em nossos anunciantes e aqueles que fazem questão de pagar, ajudam o jornaleiro a lucrar com a venda de um jornal local. 

Quando completamos dois anos, estava começando a crise  econômica  no  país  e  foi necessário novas mudanças e mais coragem ainda para executá-las.

Mudar a periodicidade do jornal de mensal para bimestral, pois um mês estava 
curto para a produção total do jornal e estávamos iniciando os  trabalhos  do  programa BEMTV, renovando a plataforma do nosso portal  de notícias www.jornalbemtevi.com.br e realizando treinamentos para novos trabalhos  como  marketing digital, desenvolvimento de websites  e  serviços  gráficos em geral. 

As consequências foram as melhores  possíveis,  pois  com as novas adaptações o jornal tinha mais tempo para vender nas bancas, os anunciantes conseguiam distribuir maiores quantias  de  jornais  para mais pessoas diferentes. 

As  empresas  que  fecham anúncio  no  jornal  ganham como cortesia o mesmo anúncio na mídia online para o mundo todo ver. Além disso, o maior diferencial são as matérias comerciais, pois com fotos  profissionais  e  textos especializados conseguimos chamar a atenção dos clientes para os leitores do jornal impresso e internautas do site. 

Com determinação, realizamos o programa BEMTV, e hoje temos parceria 
com TV Vale das Artes. Ou seja, durante esse último ano conseguimos realizar serviços nas áreas de jornalismo, propaganda e marketing. 

O que era “apenas” um jornal acabou virando  Multimídia.   Na crise, as pessoas estão querendo gastar pouco e as empresas precisam vender mais. Para resolver essa questão, entra a propaganda,  o  marketing e o jornalismo para divulgar ofertas, ideias e  informação. 

Por  isso, nesta crise resolvemos ampliar nossa área de atuação e cada vez mais ser um facilitador para pessoas e empresas.  É nesse atual momento econômico  difícil  que vamos em frente, sem parar de bater asas, vamos em busca de realizar novos sonhos e manter oque criamos. 


Texto: Lucas Galante






Márcio Ribeiro e Lucas Galante uma parceria que deu certo


Quando ainda era apenas um projeto na mente, o Jornal BEM-TE-VI era uma 
ideia que latejava no cérebro de Márcio Ribeiro. Ele que era leitor assíduo dos jornais  que  existiam  em  Peruíbe,  sentia  a  necessidade  de criar um jornal diferente na cidade.

A ideia era exercitar o jornalismo, levando informação e bons textos para a população  de  Peruíbe.  Ele   observou que os moradores de Peruíbe  possuíam  o  habito de ler os jornais da cidade e que estes não tinham textos atraentes e eram carentes de informação de qualidade. 

Para  colocar  o  projeto  em prática,  percebeu  que  não teria como começar sozinho, por isso tentou oferecer a ideia para uma outra pessoa que não se interessou muito.

Mas quando a ideia voou até o jovem Lucas Galante aí começou uma nova etapa na vida dos dois que na época ainda eram estudantes de jornalismo. 
Após Márcio contar qual seria o nome do Jornal, Lucas gostou no exato momento e em seguida começaram a fazer a primeira reunião de  pauta do jornal. Rapidamente, Lucas começou buscar empresas interessadas, para 
anunciar no jornal. 

Após  fazer  as  fotografias para produzir o primeiro Ensaio Fotográfico, escrever os textos, diagramar completamente a edição e enviar os  arquivos  para  a  gráfica. 

Quando os dois pegaram o jornal impresso nas próprias mãos, os olhos brilharam Pronto,  realizaram  um  sonho  e  agora  precisavam dar continuidade  ao  que  construíram juntos. Afinal, a primeira era a mais difícil. 

Quem é Márcio Ribeiro ?

Márcio é jornalista, Monitor Ambiental, Funcionário Público, Técnico em turismo, Técnico  em  Hotelaria,  Técnico em Lazer e Recreação, 
Guia  de  Birdwatching.  É  um caiçara com orgulho e amante de Peruíbe.
Nasceu  em  Itanhaém,  por que Peruíbe não possuía maternidade. Cresceu, estudou e  constituiu  família  na  cidade.

Assim como os seus pais e seus avós, que também foram filhos da “terra da eterna juventude”.

Trabalhou em diversos departamentos  da  Prefeitura de Peruíbe: Meio Ambiente, Cultura,  Turismo,  Marketing e Eventos, Agricultura e na 
Assessoria de Imprensa. Foi diretor Sócio-Cultural da Associação dos Estudantes  de  Peruíbe-AEP,  por  um ano e Diretor de Imprensa por mais três.

Quem é Lucas Galante?

Antes de ser jornalista Lucas  trabalhou  pelo  IBGE, atuou como Repórter Voluntário no canal Net Cidade, na Assessoria de imprensa da Delegacia da Receita Federal de Santos, no Jornal da VTV (SBT) . 

Iniciou sua vida de empreendedor aos 21 anos. Nasceu e foi criado em Santos.  Veio  morar  em  Peruíbe em abril de 2013. De lá para cá aprendeu a vender o “próprio peixe”, a valorizar momentos mais únicos da vida e principalmente lidar com as pessoas que vão surgindo pelo caminho. 

Sua maior missão pelo BEM-TE-VI foi não desistir  no  meio  deste  caminho, acreditando sempre que a essência da humildade e união do BEM-TE--VI vence  qualquer  dificuldade. 

Fica aqui um agradecimento a todos que acreditam nestes dois jovens 
jornalistas e empreendedores do BEM-TE-VI.

Texto: Márcio Ribeiro

Comentários