Crédito ampara comércio e turismo para temporada de final de ano



A Black Friday aqueceu o comércio para um final de ano que será, certamente, atípico. Os lojistas não poupam expectativa e estratégias de marketing para atrair os consumidores que economizaram durante todo o ano. A poupança bateu recorde em setembro, com os depósitos superando os saques e acumulando entrada líquida de R$ 137,21 bilhões nos nove primeiros meses do ano, segundo o Banco Central.

"Para as circunstâncias, vai ser um bom Natal. Há uma boa possibilidade de ser equivalente ao do ano passado. A direção da economia é de crescimento, se comparado aos meses anteriores", comentou o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo, em entrevista ao programa Revista Brasil, da EBC.

Outra parte da poupança dos brasileiros deve ir para o setor turístico, que também apresenta boas perspectivas com a proximidade do início do verão, que deve impulsionar a retomada. Viagens de longas distâncias ainda não aparecem de forma expressiva nos planos, por isso a aposta é no turismo de proximidade, com viagens de carro para municípios de até 200km de distância, e em roteiros que privilegiam atividades ao ar livre e na natureza. Segundo estudo da Secretaria de Turismo de São Paulo, o interesse por viagens com até três horas de deslocamento vai potencializar o turismo no interior e litoral e pode gerar R﹩ 13,1 bilhão à economia paulista nos próximos meses.

Cesar Catapano, gerente da Pousada da Cachoeira, de Monte Alegre do Sul, conta que a procura por hospedagem já está alta. "Achamos que a retomada seria lenta, mas tivemos recordes históricos de faturamento em setembro e outubro. Acredito que, justamente por essa demanda reprimida, acabamos tendo uma retomada muito forte".

"Para nós, um dos sinais de que a retomada começou é que diminuíram os pedidos de socorro nas linhas de capital de giro e aumentaram as solicitações para projetos de investimento. Ultrapassamos a fase de resposta, quando houve queda brusca do faturamento das empresas e necessidade de liquidez, e entramos na etapa de recuperação, com as empresas reabrindo e se adaptando às necessidades dos clientes", comenta o Presidente do Desenvolve SP, instituição financeira do Governo do Estado.


Crédito impulsiona setores

Para fazer frente à queda no movimento, 50,2% dos bares e restaurantes de São Paulo recorreram às linhas de crédito, segundo estudo divulgado nesta sexta-feira (27) pela Secretaria de Turismo do Estado. Em relação à geração de empregos, a atividade também lidera, com saldo de 5.741 novas vagas preenchidas.

A fim de garantir que empresas destes segmentos consigam se preparar para as vendas e demandas de final de ano, o Desenvolve SP, banco do Governo do Estado de São Paulo, oferece linhas de crédito especiais para comércios, bares e restaurantes e outras empresas ligadas ao setor turístico.

A Bee W. Hostel, empresa de hospedagem compartilhada com unidades na capital e em Juquehy, utilizou crédito do Desenvolve SP para adaptar seus serviços e continuar atendendo. "As pessoas estão buscando um escape e continuam com apetite por viagens para lugares mais próximos. Em Juquehy, principalmente, nossa demanda está muito boa. Na unidade de São Paulo, uma cidade com turismo muito voltado a eventos, o que fizemos foi aumentar a participação do bar e do restaurante neste período. As adaptações têm exigido muita criatividade para que seja possível dar conforto aos clientes e rentabilizar diante desse desafio", conta o sócio, Diego Mariz.


Recursos

O Desenvolve SP acaba de internalizar mais R$ 150 milhões em recursos para as linhas de crédito do Fundo Geral do Turismo - Fungetur, uma nova tranche dos R$ 400 milhões disponibilizados em setembro em parceria com o Ministério do Turismo para ampliar a capacidade de auxiliar a recuperação e retomada das empresas paulistas ligadas direta ou indiretamente ao setor, um dos mais impactados pela pandemia.

Através do Desenvolve SP, os recursos são disponibilizados por meio de linhas de crédito com condições facilitadas - taxas reduzidas e prazos estendidos. As empresas podem solicitar crédito para financiamento de projetos de investimento, aquisição de máquinas e equipamentos e capital de giro. As condições das três linhas Fungetur compreendem juros reduzidos de 0,41% ao mês e prazo estendido de até 120 meses, com até 36 de carência, além de garantia por meio do Fundo Garantidor e aval dos sócios.


Como solicitar

Micro, pequenas e médias empresas com faturamento anual entre R$ 81 mil e R$ 10 milhões, Certificação Digital E-CNPJ, cadastro ativo no CADASTUR e Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE relacionado a atividades turísticas podem realizar a solicitação de crédito pelo site do Desenvolve SP: www.desenvolvesp.com.br. De forma simples e desburocratizada, todo o processo é realizado online.


Podem ter acesso ao crédito empresas das áreas de acampamento turístico, agências de turismo, meios de hospedagem, parques temáticos, transportadora turística, casas de espetáculos e equipamentos de animação turística, centro de convenções, empreendimento de apoio ao turismo náutico ou à pesca desportiva, empreendimento de entretenimento e lazer e parques aquáticos, locadora de veículos, organizadores de eventos, prestadores de serviços de infraestrutura de apoio a eventos, prestadores especializados em segmentos turísticos, além de restaurantes, cafeterias e bares. Confira todos os CNAES atendidos pela linha Fungetur .


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não sou perigoso, me chamo Gildásio e preciso de sua ajuda!

Por que os tubarões atacam seres humanos?

Ruínas do Abarebebê: Detalhes da primeira igreja do Brasil